Sexta, 22 Abril 2016 16:21

Bumba meu Bong - 24/04/16

A HISTÓRIA DO BUMBA MEU BONG

Cinco anos depois da primeira proposta, feita por Rodrigo Freire (na época -2009 - recém chegado de São Gonçalo –RJ), de juntos (ele e Joicy) realizarem um trabalho musical na cidade de Goiânia, em setembro de 2014, Rodrigo, até então, escritor ou desempregado, e Joicy Fonseca (Psicopedagoga/Pedagoga) iniciariam os ensaios que culminariam na formação de uma banda de MPB e outros (ainda sem nome na época). 

A formação inicial contava com duas vozes, um violão e um baixo. O Baixista em questão atende por “Cristian Dean”, desde o período era também integrante de outras duas bandas e por ocupações diversas, deixaria-nos ainda engatinhando intenções no décimo sétimo andar no St. Aeroporto: antes mesmo que o conjunto se apresentasse para o público pela primeira vez, no entanto, o baixista não sairia antes de marcar seu nome para sempre na história do conjunto: é Cristian que dirá, entre outras tantas sugestões espontâneas e bem humoradas de nomes para o grupo: “...Bumba Meu Bong!”. 

A presença rápida de Dean parece ter acostumado o atual violonista e a cantora do Bumba com uma estrutura maior do que propunha a ideia de 2009 - “voz e violão”: pensavam num formato maior, que alcançasse uma projeção mais forte e atraente... Assim é que apresentamos a vocês, sobre um cajon, por indicação da cantora, Fabrício Guimarães, professor de história. Em seguida, Viviane Machado, pandeirista, esposa do violonista, concluiria a composição atual do grupo. 

A banda, que desde o começo fotografa, filma e edita vídeos para promoção e convocação de público aos estabelecimentos comerciais em que se apresenta, já mostrava seu caráter diferente e sua inconformidade em ser apenas mais uma “banda de barzinho” que se restringisse ao ciclo de ensaiar, se apresentar, receber algum cachê, ensaiar... O grupo estudava maneiras de valorizar algo além dos estabelecimentos “parceiros” (com a edição de vídeos), não queria ser apenas uma banda comercializada... O Bumba Meu Bong não prescindia da ideia de valorizar também as obras musicais dos compositores brasileiros (MPB), sobretudo as letras. Mas como? Neste sentido, chegaram a engendrar atuações teatrais; elaboração de cenários; contudo, a realidade do mercado, de tempo, de transporte e de orçamentos exigiu uma adaptação das intenções teatrais que, atualmente, resulta possível na apresentação “no palco” de curiosidades a respeito das composições musicais. Quais informações curiosas ditas em tom bem humorado propiciam descontração nos shows, suscitam reflexões sobre as composições, inserem mais intensamente a plateia para o contexto musical em execução etc., assim como promovem um ambiente de interação descontraída entre os presentes. 

O Bumba faz mais! Também sugere no palco, ao vivo, pratos, drinks etc. do cardápio dos bares (seus pratos prediletos nas casas em que atuam), sorteia brindes etc. 

Há muito mais que dizer sobre o Bumba Meu Bong: “banda das caricaturas alegres”; “banda mais interativa que há no cenário cultural goiano”; “banda que quebra a distância entre palco plateia (público e artista)”... Falaríamos ainda de arranjos próprios, da doce voz de Joicy, da flagrante humildade de todo o grupo, do seu violonista e “mestre de cerimônias”, Rodrigo, que costuma dizer, entre outras coisas, ao seu público entusiasmado: “Vocês tocam o Bumba e o Bumba toca as canções!”... 

Mais sobre o Bumba Meu Bong? Você descobrirá (vídeos, agenda etc.) na web: www.facebook.com/bumbameubong

Vamos conhecê-los mais um pouco? Bom, para tanto deixo o convite, como eles se fazem partem de um contexto maior que o de “palco” e dizem ao fim de todas as suas chamadas audiovisuais: “VEM COM A GENTE!”.

Para contato:

Joicy - (62) 84113921 (oi - whatsapp)